Adulto

Vírus H3N2 no Brasil – O que é? Como combater? Sintomas da doença

O vírus da influenza A possui vários outros subtipos, sendo os mais conhecidos H1N1,H2N3 e H3N2, no entanto, há muitos outros. A diferença dos tipos é a quantidade de hemaglutininas (H) e de neurominidases (N).

A gripe em si é dividida entre A, B e C. Todos os tipos são transmissíveis em níveis diferentes, sendo o C o menos transmissível, enquanto o A é o mais transmissível. Entretanto, o tipo A é o que sofre mais mutações. Por esse motivo “surge uma nova gripe”.

A influenza A e seus subtipos (mutações) também estão associados a epidemias e pandemias. O vírus H3N2 começou a surgir nos EUA e chegou ao Brasil recentemente, causando preocupações. Conheça o vírus e saiba como evita-lo e combate-lo:

O que é o vírus H3N2

É um vírus causador da gripe, sendo um subtipo da influenza A. A transmissão acontece da mesma forma que os outros tipos de gripes: por meio de secreções respiratórias, como a saliva. Ficar próximo a uma pessoa com o vírus H3N2 ou qualquer outro tipo de gripe pode causar a contaminação, já que as secreções respiratórias podem ser expelidas por tosse, espirro ou fala.

Os sintomas são, basicamente, os mesmos de uma gripe, surgindo de forma repentina. Os mais comuns são:

  • Febre alta;
  • Rosto vermelho;
  • Falta de ar;
  • Dores pelo corpo;
  • Dores de cabeça;
  • Náuseas e vômitos;
  • Diarreia;
  • Congestão nasal;
  • Espirros;
  • Tosse seca;
  • Cansaço excessivo e fraqueza.

Com o passar dos dias, a tendência é que as dores no corpo diminuam e os sintomas respiratórios aumentem, geralmente, permanecendo a tosse seca.

Todos estão sujeitos à contaminação, mas alguns grupos são mais suscetíveis, considerados de risco. Entre eles destacam-se crianças, idosos, gestantes, mulheres em puerpério (pós-parto), portadores de doenças crônicas e imunocomprometidos e pessoas obesas.

Quais as diferenças entre os outros vírus da gripe?

São três subtipos mais conhecidos: H3N2, H2N3 e H1N1. Os sintomas, o tratamento e a prevenção são, basicamente, os mesmos. A única diferença entre os 3 tipos é a quantidade de proteínas específicas existentes em cada um.

Suas características são bem semelhantes, por esse motivo, recomenda-se procurar um médico, caso os sintomas apareçam ou piorem. No Brasil, somente foram encontrados os tipos H1N1 e H3N2.

Como evitar H3N2?

Os cuidados para evitar a contaminação com H3N2 são os mesmos que qualquer outro tipo de gripe. Evite ficar em lugares fechados com aglomerado de pessoas; lave as mãos com frequência, principalmente quando chegar da rua ou em algum lugar específico; Se possível, use álcool em gel; e evite levar as mãos à boca ou ao nariz, principalmente sem desinfetá-las antes.

Além disso, procure não ficar próximo às pessoas que estão contaminadas pela gripe. Consumir alimentos saudáveis também é uma forma de prevenir, já que, dessa forma, você aumentará a resistência do seu organismo. Objetos pessoais nunca devem ser compartilhados, como escova de dentes e toalhas de banho. Mesmo dentro da própria residência, cada morador deve ter o seu objeto pessoal, para evitar contaminações.

Ao tossir ou espirrar, cubra a boca e o nariz com um lenço descartável. Evite usar a mão durantes espirros, pois, dessa forma, poderá contaminar outras pessoas. Se for o caso, higienize as mãos em seguida.

A vacina da gripe é a forma mais eficiente de evitar a contaminação da influenza A (H1N1 e H3N2) e, também, da influenza B.

Como combater H3N2

Em 2018 foi intensamente divulgado que o vírus que já havia acometido os Estados Unidos chegaram no Brasil. Até um momento o Ministério da Saúde se pronunciou dizendo não haver confirmação dos dados o que fez com que muitos portais divulgassem a informação como fake news (uma notícia falsa). No entanto, pouco tempo depois, o boletim epidemiológico da Secretaria de Vigilância em Saúde confirmou os níveis de contaminação no país.  A influenza do vírus H3N2 levaram a oito óbitos no país no mesmo ano.

A gripe causada pelo vírus H3N2 tem cura, devendo o tratamento ser iniciado o quanto antes, pois pode provocar complicações, como pneumonia ou, até mesmo, levar ao óbito.

É comum o tratamento ser feito com antivirais à base de fosfato de Oseltamivir. No entanto, esse medicamento só pode ser vendido com receita médica. Ao perceber os sintomas, procure um médico, para que ele faça o diagnóstico correto.

O tratamento também inclui cuidados como o repouso, aumento do consumo de líquidos e consumo de alimentos saudáveis. Também, recomenda-se evitar sair de casa, principalmente em locais com grandes aglomerados de pessoas, bem como contato físico.

Referências

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Informe Epidemiológico: Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 08 de 2018. Disponível em <http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/01/Informe-Epidemiologico-Influenza-2018-SE-08.pdf>